quarta-feira, 8 de junho de 2011

Ritual do Tarot para Revelações - Pedro Guardião



Este é um ritual que trabalha as energias do tarot, que te enviará mensagens através de sonhos, podendo te revelar sobre diversas coisas. Escolha uma segunda-feira de Lua Cheia para realizá-lo. Você precisará de:


1 Tarot do qual você tenha mais afinidade.
Incensos de sândalo.
Taça com água da fonte.
Fogo Sagrado ou ervas secas.
Álcool.
Seu caldeirão.
Pétalas de flores brancas.
Velas de cor.

Para dar início, você deve escolher de 7 a 9 cartas do seu tarot, as mais positivas ou as que tenham a ver com o que você quer que seja revelado durante a semana através de seus sonhos. Reserve o restante do baralho.
Posicione o caldeirão preparado devidamente com fogo sagrado e álcool no local onde será realizado o processo mágico. Com as cartas do tarot, cerque o caldeirão formando um círculo em volta dele. Espalhe as velas como desejar, uma boa dica é formar um triângulo a sua volta. Faça o mesmo com as pétalas das flores.
Acenda as velas e os incensos, pedindo para a Grande Mãe, com seu brilho de prata, aumentar seu poder de vidência naquele momento. Respire fundo, sinta a energia e visualize uma luz vindo do alto e clareando sua cabeça.


Acenda o caldeirão, deixando o fogo iluminar tudo a sua volta. Visualize por alguns minutos suas chamas e seu modo de espiralar. Este processo faz com que seu terceiro olho seja trabalhado e aberto no momento. A partir daí, pegue uma a uma as cartas do tarot em volta do caldeirão e em voz alta, diga seu nome (ex: O Mundo). Passe pela fumaça dos incensos e em seguida, pela chama do caldeirão, onde se encontrará com cores vibrantes. Sinta a energia daquela carta passando para você e diga:


“Lâmina (nome da carta), eu peço para que me revele a verdade a nada além da verdade. Assim seja, assim se faça”.

Retorne-a para o mesmo lugar e faça com todas. Espere o caldeirão apagar naturalmente. Feito, agradeça a Grande Mãe e seus guardiões e encerre o ritual. Logo após, se preferir, tome um banho e vá dormir, colocando as cartas que utilizou no processo mágico, debaixo do travesseiro. Durma com elas lá a semana toda. Você verá que seus sonhos serão muito reveladores e intensos naquela semana. Anote tudo no meio da
noite para não esquecer. Passado os dias, retorne normalmente as cartas ao restante do baralho.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

O Panteão Grego! - Pedro Guardião

Na Grécia Antiga, as pessoas seguiam uma religião politeísta, ou seja, acreditavam em vários deuses. Estes, apesar de serem imortais, possuíam características de comportamentos e atitudes semelhantes aos seres humanos. Maldade, bondade, egoísmo, fraqueza, força, vingança e outras características estavam presentes nos deuses, segundo os gregos antigos. 

De acordo com este povo, as divindades habitavam o topo do Monte Olimpo, de onde decidiam a vida dos mortais. Zeus era o de maior importância, considerado a divindade seprema do panteão grego. Acreditavam também que, muitas vezes, os deuses desciam do monte sagrado para relacionarem-se com as pessoas. Neste sentido, os heróis eram os filhos das divindades com os seres humanos comuns. Cada cidade da Grécia Antiga possuía um deus protetor.
Cada entidade divina representava forças da natureza ou sentimentos humanos. Poseidon, por exemplo, era o representante dos mares e Afrodite a deusa da beleza corporal e do amor. A mitologia grega era passada de forma oral de pai para filho e, muitas vezes, servia para explicar fenômenos da natureza ou passar conselhos de vida. Ao invadir e dominar a Grécia, os romanos absorveram o panteão grego, modificando apenas os nomes dos deuses. 

Conheça abaixo uma relação das principais divindades da Grécia Antiga e suas características. Clique nos deuses sublinhados e saiba mais sobre cada um deles.


Nome do deus 
 O que representava
Zeus
Rei de todos os deuses e senhor dos Trovões.
Afrodite
Amor e beleza.
Guerra e Confronto.
Mundo dos mortos e do subterrâneo.
Protetora do casamento e do nascimento.
Senhor dos mares e oceanos.
Eros
Amor, paixão e sensualidade.
Héstia
Protetora do lar.
Apolo
Luz do Sol, poesia, música, beleza masculina.
Caça, castidade, animais selvagens e luz.
Colheita, agricultura, fatura.
Dionísio
Festas, vinho.
Hermes
Mensageiro dos deuses, protetor dos comerciantes.
Hefesto
Metais, metalurgia, fogo.
Crono
Senhor do tempo.
Gaia
Planeta Terra.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Conhecendo as Runas - Pedro Guardião

A sabedoria das runas foi deixada aos Vikings pelo deus nórdico Odin, para que os homens a ela recorressem, para se divinizar e para obter um sábio aconselhamento quando necessário.
Odin se submeteu a um supremo ato de auto-sacrifício para obter o conhecimento secreto das runas. Permaneceu suspenso, por nove dias e nove noites, pendurado pela lança, de cabeça para baixo no Yggdrasil, a "árvore do mundo", até se dar conta das pedras rúnicas no chão.
Esticando-se com dificuldade conseguiu apanhá-las, sendo então libertado pela magia destas pedras e, por iluminação, aprendeu os conhecimentos e poderes mágicos das runas.

Odin transmitiu à humanidade esse conhecimento obtido sobre as palavras mágicas e também de como registrar essas palavras através do alfabeto rúnico.
Odin distribuiu as vinte e quatro runas entre três deuses: Hagal, Freya e Tyr. Estes três deuses deram às runas suas energias. Freya, a energia de mãe, de esposa, de amante, e de irmã; Hagal, o conselheiro sábio, correto e energético; Tyr, o jovem guerreiro, corajoso e lutador.
A vigésima quinta runa, que é branca, representa Odin. A escrita rúnica é uma das mais antigas conhecidas; tem mais de doze mil anos. A raiz composta RU é de origem indo-européia e significa mistério ou segredo. 

Os antigos povos usavam acreditavam que as runas possuíam poderes mágicos que poderiam defendê-los de diversos males e os xamãs antigos entalhavam as runas nas embarcações, nas casas, colocavam elas nos leitos dos enfermos, invocando sua proteção, cura, ajuda, etc.
Durante muitos séculos, os Xamãs passavam aos seus iniciados o conhecimento das runas, preparando-os para que pudessem usar corretamente esta energia. Segundo os ensinamentos, cada runa está ligada a uma força determinada, havendo um poder específico em cada uma delas, por isso, devem ser usadas de forma correta para que os resultados sejam positivos e satisfatórios.
As runas são uma linguagem de magia que levam o ser à evolução interior, para o encontro de um bem maior e jamais poderão ser usadas como meio de comercialização ou charlatanismo porque sua linguagem traduz mensagens de divinação e não adivinhação.

Para conferir todas as runas e seus significados (elas estão em espanhol, mas dá para entender perfeitamente), clique no link: 
http://www.caminowicca.com.ar/runas.1.jpg

Vídeos Wicca & Bruxaria

Loading...